Entrevista com Aline Torchia

Por Ana Carvalho Publicado em 8 de setembro de 2017

Nome: Aline Torchia Predebon
Idade: 32 anos
Localidade: São Paulo
Tempo de atuação: 5 anos
Especialidade:
Neo tradicional, Old School


Quando começou no mundo da tatuagem?
Comecei a trabalhar em estúdio de tatuagem em 2011 como aprendiz e para ajudar na organização das agendas de outros tatuadores, mas comecei a tatuar definitivamente em 29 de Março de 2012.


Como começou? Quando surgiu o interesse pela arte e a execução?
Meu interesse por tatuagem começou na adolescência, comecei a colecionar revistas de tattoo (Metalhead, Almanaque Tattoo, entre outras ), e reproduzia os desenhos das revistas na minha pele e de amigos da escola com canetinhas e caneta bic, porém não imaginava um dia me tornar tatuadora de verdade.
Com 20 anos fiz minha primeira tattoo em um estúdio próximo de casa e depois de 4 meses. fiz a segunda com um tatuador de mostrou um lado realmente profissional da tatuagem. Resolvi estudar moda, me formei, e meu TCC foi baseado em estampa de sapatos com imagens de tattoo. Nessa época estava bastante envolvida em pesquisa de tattoo, body art e já me interessava muito pela profissão, porém não queria começar de qualquer jeito, sem instrução, sem um “mestre”.
Trabalhava com criação de estampa, depois com maquiagem e então ingressei na Pós de Design Gráfico, e foi nesse período que fui fazer um tattoo com minha irmã e o tatuador (já falecido Guilherme Cavalo) me convidou para ser sua aprendiz. Larguei tudo e fui trabalhar com ele como aprendiz.


Você fez cursos? Como foi seu processo de aprendizado?
Fiquei como aprendiz 1 ano, tatuando pele de porco e pele sintética. Soldando agulha, lavando muito bico e ajudando na organização do estúdio. Até mudar para outro estúdio (já extinta Sick Mind Skate Tattoo), onde comecei a tatuar de verdade. E nesse período fiz cursos de desenho acadêmico, pintura a óleo, acrílico, com André Rodrigues (Labo B) o que fez com o que meu desenho aperfeiçoasse muito.


Encontrou dificuldades no inicio? Como as enfrentou?
Meu começo na tattoo, eu costumo dizer que apesar de algumas vezes ter quer me impor como mulher, como alguém que realmente queria aprender e estar naquele universo, obtive uma imensa sorte de conviver com pessoas incríveis. Que me adotaram de verdade, pegaram muito no meu pé, mas que graças a isso me ajudou muito em minha evolução.


Você tem um sketch produzido pela Pixel, quando foi lançado, como foi o convite para fazer, qual foi seu sentimento em representar as minas e ganhar tal visibilidade e reconhecimento em um segmento obviamente ainda predominado pelos homens?
Recebi o convite o ano passado, durante uma convenção, o Alessandro viu meus desenhos e me convidou. E eu amei, fiquei um pouco tensa, achei que não tinha material suficiente, que não era legal o bastante, mas foi incrível ver meus desenhos em um livro. Eu me senti muito feliz de poder representar a mulherada de alguma forma, sempre digo que não escrevi um livro, mas desenhei um.



De onde tirou as inspirações para os desenhos?
Minha inspiração é cotidiana, livros, sites, fotos, viagens, lugares em que vou, arquitetura, design, basicamente tudo que você vê, estuda, observa de alguma forma te inspira e te dá novas ideias. Mas rostos, flores, animais e ornamentos são minha maior inspiração.


Conte um pouco sobre seu estilo de trabalho?
Eu costumo pensar que, estou no início, do meu processo de escolha de um estilo. Esse estilo seria o Neo Tradicional. Que para mim é um estilo delicado, cheio de detalhes, composição, sombra e luz. Para isso eu costumo estudar muito, Art Deco e a Art Nouveau que são inspirações claras do Neo. Também entre o estudo e o desenho de rostos, anatomia, animais, cenários, joias, um acaba dando complemento ao outro.


Já participou de eventos de tatuagem, quais?
Brazilian Tattoo Convention
- BH Tattoo Festival
- Underworld tattoo music festival
- Tattoo Week
- Convenção de tatuagem de Joinville
- Tattoo Experience
- Expo Tattoo Floripa


Cite experiências marcantes.
Convenções para mim sempre são incríveis, porque é o momento em que reencontro amigos de outros estados, países, cidades. E quando podemos fazemos novos amigos, novos clientes, contatos. E uma das coisas que mais me marcaram de convenção e poder me tornar amiga de pessoas que tinha e tenho uma admiração imensa, e que pensei jamais um dia ter acesso a essas pessoas.

Conte um pouco sobre a exposição. É sua primeira?
Sobre a exposição o convite aconteceu há poucos dias, senti uma imensa responsabilidade ter uma exposição individual com meu trabalho. Já participei de algumas exposições com outros tatuadores, artistas plásticos, mas nunca sozinha. E agora estou no momento de separar ideias, inspirações e começar a produzir as peças.



Sobre o tema mulheres, porque esse tema?
Na verdade, eu tenho uma paixão em retratar rostos de mulheres, e essa paixão surgiu da grande dificuldade que eu tinha de desenhar rostos. Mas o tema Mulheres, vem em um momento onde a Mulher está sofrendo ameaças de todas as partes e ao mesmo tempo está lutando com garras e dentes por seu papel na sociedade, na política, na família, nos relacionamentos, em tudo e principalmente por seus direitos. A ideia é mostrar mulheres fortes, poderosas, que apesar da sua delicadeza são verdadeiras Atenas e Afrodites.


Quais suas expectativas quanto a sua carreira, o que espera da exposição?
O que eu mais espero da minha carreira é poder continuar evoluindo, fazendo o que amo e principalmente tendo liberdade de criação. Que eu possa levar meus desenhos para muitos lugares do mundo e por causa da tatuagem continuar a conhecer tanta gente e lugares incríveis. E quanto à exposição, espero que ela desperte esse poder de “Somos Guerreiras e Poderosas” em todas as mulheres.


Deixe um recado para os seguidores:
Apenas gostaria de agradecer aos meus clientes e seguidores que se tornam parte do que eu faço, porque levam em seu corpo minha arte, minhas ideias, minhas linhas e isso é sensacional.
Obrigada aqueles que acompanham meu trabalho, comentam, curtem, isso é muito importante para meu desenvolvimento.


Avalie este post

Dê uma nota de 1 a 5 estrelas

Comentários

Faça um comentário sobre este post